Demente

11 dez

O tesão rompe suturas
Do amor incapaz

Indecente, rasga
Encharca, descende

Com um assopro ou um arrombo
Arranca-se demente

Senhor Fugaz!

11 de dezembro de 2009

IN mim

12 nov

O mais longe que vou
É o lugar mais forte
mais fonte
mais mundo
mais fundo
Daqui

12 de novembro de 2009

A face medrosa do livro

12 jul

.

atualiza-me que te atualizo
siga-me que te sigo
posta-me que te posto
_____________________________

Show me your FACE , open your BOOK

______________________________

encoraja esse mundo
que suplica por outros
e se cria nas frestas

abertas

12 de julho de 2009

Petite Mort

22 jun

Num canto soprano
Vindo de dentro
Da soma dos seios

Sinto em uníssono
A sensação do murmúrio
-“Ai!”

30 de novembro de 2004

Pipocâncias: Breves imensidões espontâneas

22 jun

logo_pipocancias_fosco-02
Breves imensidões espontâneas



Sentir é simples. Complexo é fazer sentido.

Girando, girando, girando elipticamente

Pequenos pixels de ilusão

Alguém aquém do além

Do alto da montanha contemplo a lembrança do que ainda não senti

Transformando brisa em cheiro

Corpo que falha em mente doidente de alma confusa

Acionando o pulso em prol

-piegas- …. sem vergonha do amor

Um cadin de pensamento, com um pinguim de ilusão

Força na andança que o caminho é temperança

Escrivin-ânsia

Se emocione uma vez ao dia: transforme seu pensamento mais confuso em poesia

Lubrificando ansiedades

Do ponto ao distante

Costurando entrelinhas

Tem tanto algo que suavemente se vai

 

Algo do tempo

9 jun

O tempo cantou promessa de um novo horário
Cenas de vida submersa em formas reais

Enquanto corro para o lado de lá da casa do oeste
Grifos de medo me impelem

Intercurso

Simulação do ideal
Tentativa de alcance
Em âmbito de guerra

20 de outubro de 2001

Um ponto sobre a vida que conto

8 jun

Mr. Óbvio era um senhor já de idade e vivia há muitos anos com sua velha companheira, Dona Dúvida. À mesa do jantar eles se postaram para um guisado com alguns dos seus grandes amigos. Em meio a piadas e causos da vida, riram muito e papearam madrugada a fora. Um pouco tímido e num lampejo reticente, Seu Destino vagueou o passado:

– Vocês se lembram daquela moça inteligente e bonita que colocou as cartas na mesa para ler um pouco do agora? Pois então, naquele dia, ela disse coisas que só hoje me fazem entender as decisões que a Srta. Vida tomou.

E, virando-se para o lado, Sr. Destino encarou o jovem que ouvia tudo pacientemente.

– E você Tempo? O que achou das palavras da cigana?

O Segundo passou e o moço frisou:

– Ela estava certa. A Lógica tinha razão!

14 de dezembro de 2004

Liberdade de escolha

8 jun

Encontrar a lógica das coisas
É aplicar na nossa própria razão
O desejo de se ver livre da dúvida

06 de dezembro de 2004

Ser palavra

8 jun

Palavra é encanto
Som que precede
A luz do instante

Palavra é fortuna
Baú do fonema
Que tilinta aos ouvidos

Palavra é ruído
Entender que duvida
Do seu próprio sentido

idos de 2003
reeditado em 13 de outubro de 2005

In Natura

5 jun

Como será viver sem temer o que é ser?
Bom é ser árvore!
Ser firme e ser grande

Melhor!

Durar sem saber…

Latir por impulso
Voar pelo lixo
Ser barulho de chuva
Ou mingau de vulcão

08 de outubro 2008

Do mundo e de nós

4 jun

Quisera o tempo
Não ser relógio
O espaço
Não ser medido
Meu corpo
Não ser limite
Minha idéia
Não ser palavra

…se fora…

Não temeria
As horas
Não calculava
Meus passos
Não comprimiria
Meu ser
Não mataria
Razões

15 de outubro de 2005

À espera

4 jun

Morro, já, pelo medo do fim dessa vida
E o que me mata é tal essa dor
Do desconhecido saber

A dor da minha morte é atual
Sinto-a agora, plena e medrosa
Aflição de viver
No esperar do momento

Mas o que me adoece é o sentimento vivo
Habitante fiel da incerteza:
Esperar a hora do grande repouso?
Ou viver para sofrer pelas mortes de outrem?

Tristezas que porventura irão conhecer minha vida
Aquelas que têm nome de falta
De desconhecida angústia
Que em eufemismo se presta como
Singela saudade
(em lápide bela)

02 de fevereiro de 2005

Do amor: brincadeira predileta

4 jun

O amor não é bicho papão, nem ilusão.
Mas tem gente que vive pra dizer que ele só chega mais tarde.
Me disseram que eu era nova demais pra sentir tal amor
Que amor de verdade, a gente tem que sofrer, tem que ficar grandão
Durão, descrente com o resto da vida.

Santificam o amor,
O colocam num lugar tão alto, mas tão alto,
Que nem os braços mais ágeis e longos são capazes de alcançar.
Mas eu bato meu pé e minha cabeça
Pra dizer que o amor não tem lugar no mistério.
Isso, eu deixo pra Deus.

O amor é grande e tem pra todo jeito.
Ele não é de aço,
É líquido de aroma fresco e agradável,
Textura aconchegante de puro algodão

Tá aqui, tá aí e tá lá.
Ele corre entre a gente e no meio do mundo
Brinca de pega-pega, pique-esconde e amarelinha
Leva a gente no topo do céu e pede pra entrar na diversão.

Taí!
É só cair na brincadeira
E deixar o amor entrar.
-Entra, meu amor e vem me procurar!
Eu te pego na corrida e te deixo me encontrar
Vem, que aqui é o seu lugar!

14 de maio de 2004

Versos Perdidos

2 jun

Perdi minha história
Meus versos santificados
Pelos ouvidos de quem nada sabia
Mas que “tanta beleza” encontrava

Perdi meus escritos
“eu no meu tempo”
“como se eu fosse Hilda Hilst”
Minha “evolução”

Quem sabe
Sem eu própria saber
Tiveram vida própria

Chegaram quando conforto
E se foram quando memória

20 de abril de 2004